7 doenças que afetam mais os homens do que as mulheres




Por questões comportamentais, genéticas e causas desconhecidas os homens são mais suscetíveis a vários tipos de doenças em relação as mulheres. Em comparação com as mulheres, os homens estão muito mais sujeitos a doenças específicas que vamos falar hoje. Conheça as principais.


Dezembro Laranja - O que é? Como Participar?


1 - Diabetes

Essa doença está muito associada às mulheres. De fato, tal condição afeta muito mais mulheres do que homens. Mas de forma alguma esse apontamento deve ser ignorado. A diabetes é uma doença silenciosa que cada vez mais atinge homens no Brasil e no mundo.  Mais de 90% dos casos de diabetes tipo 2 estão correlacionados a hábitos pouco saudáveis. Como nas doenças cardiovasculares, a falta de atividade física e o consumo inadequado de alimentos ricos em calorias e gorduras, predispõem o organismo do indivíduo a contrair diabetes. Inclusive, esse tipo de doença está diretamente associado ao surgimento de outras patologias e disfunções no homem, incluindo a erétil.


Expectativa de Vida - Porque os homens vivem menos que as mulheres?


2 - Doenças cardiovasculares

Homens de até 50 anos de idade perecem mais com doenças cardiovasculares do que as mulheres dessa faixa etária. Isso está associado à suscetibilidade em desenvolver algumas doenças, como hipertensão arterial, colesterol alto, diabetes, obesidade, sedentarismo e alcoolismo em maior grau que as mulheres. Dentro desses problemas, os mais comuns são o infarto do miocárdio, a angina e o acidente vascular cerebral (AVC). Isso está diretamente relacionado a fatores comportamentais como o excesso de álcool, cigarro, além de uma dieta irregular, baseada no consumo de alimentos industrializados e atividade física inexistente. Em contrapartida, pacientes do sexo feminino acabam por desenvolver esses tipos de problemas após a menopausa. Por isso as doenças cardiovasculares nelas são mais raras antes da quinta década de vida.

Segundo estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares em homens são a segunda principal causa de mortes no mundo. E esse dado alarmante tende a aumentar até 2030. Após os 40 anos de idade, o consenso médico indica exames cardiovasculares de rotina. Hábitos saudáveis como mudança na dieta e exercícios também são indicados para a prevenção desses tipos de patologias.



2. Tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão

Em Portugal, este tipo de tumores mata anualmente quase quatro vezes mais homens. Em 2014, os tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão causaram 3077 óbitos masculinos e estiveram na origem da morte de 850 mulheres.


“Sabe-se que a exposição ao tabaco continua a ser um importante fator de risco para alguns cancros (onde se incluem os tumores da traqueia, dos brônquios, e dos pulmões) e que, em termos globais, esse hábito é mais comum nos homens”, explica Nadine Monteiro. “No entanto, há estudos que encontraram uma possível relação entre mutações do cromossoma Y (exclusivo dos homens) e o maior risco de cancro. E este facto pode explicar também a maior incidência e a maior mortalidade de cancros não relacionados com o sexo e com o tabagismo no homem”, sublinha. A incidência e a morte por cancro, em geral, são maiores nos homens.


3. Câncer da próstata

É a segunda causa de morte por cancro no homem, atrás do cancro do pulmão, sendo o tumor masculino mais frequente depois dos 50 anos, alerta a Associação Portuguesa de Urologia. Em Portugal, o cancro da próstata tem uma incidência de 82 casos por 100 mil habitantes e uma mortalidade de 33 por 100 mil habitantes, representando cerca de 3,5% de todas as mortes e mais de 10% das mortes por cancro. Segundo a Direção-Geral da Saúde, a medição anual de PSA e palpação prostática através do toque retal devem ser feitas anualmente, entre os 55 e os 70 anos.

Nos homens com risco elevado, nomeadamente com história familiar de cancro da próstata, o rastreio deve ser iniciado dez anos mais cedo, aos 45 anos.


10 cuidados antes de realizar o exame de próstata


4. Cálculo renal

Não são conhecidas estatísticas sobre a realidade portuguesa em específico, mas sabe-se que, na Europa Ocidental, a prevalência do cálculo renal varia de 8% a 19% nos homens e de 3 a 5% nas mulheres — o que significa um rácio homem/mulher que pode chegar aos 2,5 casos masculinos por cada mulher afetada. A incidência depende da região geográfica, do clima, da etnia, da dieta e de fatores genéticos. No entanto, e mais uma vez, verifica-se que as diferenças de género se atenuam nas faixas etárias após os 50 anos. “A maior prevalência de cálculos renais em homens e em mulheres pós menopausa tem sido atribuído, em parte, ao efeito protetor dos estrogênios através da diminuição da excreção renal de cálcio”, explica a especialista em Medicina Interna.


5 - Obesidade

Uma pessoa obesa é aquela que desenvolve um aumento excessivo de gordura corporal. O sobrepeso, portanto, é um gatilho para uma variada gama de doenças. Sobretudo as de ordem cardiovascular. 

Em vários países do mundo, como nos EUA, a obesidade é considerada uma epidemia entre homens acima dos 40 anos de idade. Isso se deve, principalmente, ao padrão alimentar rico em gorduras e carboidratos. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o problema atinge quase dois bilhões de adultos em todo mundo. 

Como não podia ser diferente, pacientes do sexo masculino são mais acometidos por esse problema, no comparativo com as mulheres.


Câncer de Próstata - Sintomas, tratamento e dicas de prevenção


6 - Andropausa

Está é uma condição hormonal muito comum entre homens na faixa dos 40 a 50 anos. De forma geral está associada à queda dos níveis de testosterona no sangue. Isso causa uma série de sintomas peculiares a esse tipo de problema, nocivos à qualidade de vida do paciente. Dentre os quais estão a perda da libido, depressão, ansiedade, dores, cansaço excessivo, calvície, irritabilidade e insônia.


7 - Disfunção Erétil

Esse é um problema que perturba muitos homens, já que dificulta a ereção durante o ato sexual. Apesar de ser altamente tratável, a disfunção erétil pode ser resultado de uma série de problemas de ordem física e até mesmo psicológica.

Por isso o médico deve estar atento ao verdadeiro causador dessa condição. Inclusive, se profissional da saúde não for procurado, o problema poderá se agravar gradualmente. 

Muitas vezes a disfunção erétil pode envolver problemas que vão desde a circulação do sangue (como registrado em hipertensos e diabéticos) até a obesidade, que também pode estar associada à dificuldade de ereção. Portanto, o médico deverá estar a par de todas as limitações sexuais infligidas aos homens que sofrem com problemas de ordem vascular.




Via: centromedicoberrini e rotasaude

















Clínica na Pampulha | Cirurgião na Pampulha | Médico na Pampulha | Clínica Popular na Pampulha

Av Portugal, 2193. Santa Amélia - Belo Horizonte | MG

Tel: 31 - 3582 -1578 |       31 - 9 8423-9022

  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram CMSA
  • CMSA Facebook

©  2018 Centro Médico Santa Amélia. Criado por Assessoria de Mídia, todos os direitos reservados. - SEO em BH